quinta-feira, dezembro 19, 2013

COACH IT

Métodos de desenvolvimento pessoal, com recurso a ferramentas motivacionais e de coaching, em diversas áreas como sejam: vida e afectos, profissional e negócios, saúde e desporto e escrita e comunicação.

Largo da Lagoa, nº 8, Sala B
2790-010 Linda-A-Velha,
Ou Email: coachitwithlove@gmail.com
Ou telefone: 964 806 026


 https://www.facebook.com/pages/COACH-IT/408726382583063

sábado, fevereiro 18, 2012

Pedro Barroso - Memória inútil de mim



Continuo a pensar que tenho idade de brincar. Sinto-me, mais que nunca, com esse direito.

Apetece-me ser sexagenário e criança. Olhando tudo com a candura da primeira vez, e o veneno da última.

Por isso, aqui vos trago, entre várias loucuras de cariz pessoal e intransmissível, contos alegóricos de humor e fantasia, ao mesmo tempo que relembro, de mim, passados heróicos e semi-conseguidos.

Tudo misturado, como gritos avulsos e diferentes que lançasse na paisagem. Momentos de gozo e susto, já agora. Surpresa permanente. Porque tanto me apetece escrever sobre a crise de escoamento dos nabos em minderico, como dissertar sobre as ácidas manobras da banca mundial; as mais delirantes vindicações erótico-sanitárias; os justos direitos do mexilhão de rio; as prodigiosas parábolas evangelizadoras; ou fazer biografia, essa memória quase inútil de mim, e lembrar o problemático facto de ser gordo entre outras rotundas perplexidades deste nosso cinzentíssimo viver.

Mas há um propósito, um eixo comum, uma intenção.

Tenho por lema que o meu leitor - a existir semelhante criatura - tenha tanto gozo na leitura do que escrevi, quanto eu tive em escrever. E se ria e chore perdidamente comigo.

Porque a partir de agora, ao que parece, já vale tudo.

Porque já tudo deixou de valer o que parece.

Prometo emendar-me um dia destes. Até lá - mesmo sem jeito algum para guru do conhecimento - continuarei soprando a loucura crítica possível. O grito de dignidade. Mas também o sonho, a fantasia, sem os quais a dura verdade se torna intragável. Enfim, a tal quase intransitável ruela da Memória, da Ironia e do Futuro.

Pedro Barroso

terça-feira, janeiro 31, 2012


Praça José António Veríssimo, 5
Loja 7 – C. Com. 84
Quinta da Piedade
2625 – 162 Póvoa de Santa Iria
 
Telefone: 21 959 48 17

Fax: 21 959 48 17

Telemóvel:
00351 96 625 86 31

Email:
geral@luademarfim.pt
ou
luademarfimeditora@gmail.com

Praça José António Veríssimo, 5
Loja 7 – C. Com. 84
Quinta da Piedade
2625 – 162 Póvoa de Santa Iria
 
Telefone: 21 959 48 17

Fax: 21 959 48 17

Telemóvel:
00351 96 625 86 31

Email:
geral@luademarfim.pt
ou
luademarfimeditora@gmail.com

domingo, fevereiro 14, 2010

"Entre as margens da memória" de Paulo Afonso Ramos


Em Lisboa: Lançamento do livro de prosa poética

O autor, Paulo Afonso Ramos, e a Temas Originais têm o prazer de o convidar a estar presente na sessão de lançamento do livro “Entre as margens da memória” a ter lugar no Auditório do Campo Grande, 56, em Lisboa, no próximo dia 20 de Fevereiro, pelas 19:00.
Obra e autor serão apresentados pelo jornalista Mário Nóbrega.

Sobre o Autor:
Paulo Afonso Ramos

Paulo Afonso Ramos reside em Póvoa de Santa Iria e é um activista da Literatura, tendo participado em acções de promoção da leitura em diversas Instituições, sobretudo escolas. É um frequentador assíduo de tertúlias e de outros eventos onde os livros sejam contemplados. Exerceu funções de administrador, conjuntamente com outros escritores, do site Luso-Poemas. Em 2009 está na génese daquele que considera o seu maior projecto literário: a editora Temas Originais. Participou nas seguintes antologias: “Poiesis V” (Editorial Minerva, 2001); “Poiesis VI” (Editorial Minerva, 2001); “Antologia 2008 Luso-Poemas” (Edium editores, 2008); “Quem Acrescenta um Ponto” (Temas Originais, 2009). Foi convidado a prefaciar as obras: “Amar-te em silêncio”, de Vera Sousa Silva (Edium editores, 2009); “A Intermitência dos Sentidos”, de Octávio da Cunha (Temas Originais, 2009); “Canteiros de Esperança”, de Fernanda Esteves (Temas Originais, 2009); autor de um breve preâmbulo em: “Sinais do Silêncio”, de Rosa Maria Anselmo (Papiro editora, 2008); de uma breve nota introdutória em: “Desafios em fusão”, de Anna Ruta/Rui Reis (Temas Originais, 2009); e de um post-scriptum em: “Vida na Internet” de Magda Luna Pais (Temas Originais, 2009). Apresentou “No Princípio era o Sol”, de Mel de Carvalho (Edium editores, 2008); “Antologia 2008 Luso-Poemas” (Edium editores, 2008); “Mergulho no mar da poesia”, de Carla Costeira (Edium editores, 2008); “Contos da Fogueira”, de Sant´Ana (Temas Originais, 2009); “Angústia, Razão e Nada”, de Henrique Pedro (Temas Originais, 2009); e “Entre o Longe e o Distante”, de Vítor Cintra (Temas Originais, 2009). Autonomamente, editou: “Vinte e cinco minutos de fantasia” (Edição do autor, 2006); “Mínimos Instantes” (Edium editores, 2008); “Caminho da vontade” (Temas Originais, 2009). “Entre as margens da memória” é o seu quarto livro.
Entre as margens da memória
(Prosa poética)

Sinopse: Procurando a via, o desenho de cada passo, Paulo Afonso Ramos mesura o tempo e lega-nos o esculpir da memória que entre margens se guarda.
Entrada Livre! Muito Obrigado
Se puder, apareça!
Se puder, divulgue, s.f.f.
Saiba mais em:
http://www.temas-originais.pt/

domingo, novembro 22, 2009

Eventos da Temas Originais para 28 de Novembro de 2009


Estimados Leitores,

Em Lisboa:

Os autores, António MR Martins e Vera Sousa Silva, e a Temas Originais têm o prazer de o convidar a estar presente na sessão de lançamento dos livros “Quase do Feminino” e “Traços do Destino” a ter lugar no Auditório do Campo Grande, 56, Lisboa, no próximo dia 28 de Novembro, pelas 16:00.

Obras e autores serão apresentados por Catarina Boavida e Carlos Teixeira Luís, respectivamente.

No Porto:



O autor, Zeferino Lopes, e a Temas Originais têm o prazer de o convidar a estar presente na sessão de lançamento do livro “Professor à beira de um ataque” a ter lugar no Ateneu Comercial do Porto, sito na Rua Passos Manuel, 44, Porto, no próximo dia 28 de Novembro, pelas 16:00.

Obra e autor serão apresentados pelo Prof. Doutor José Miguel Stadler Dias Costa e Prof. José Lobo, ambos da Faculdade de Filosofia de Braga, da Universidade Católica Portuguesa.

Se puder, apareça!

Saiba mais em:
http://www.temas-originais.pt/
Obrigado.

sexta-feira, agosto 28, 2009

O “Diário de Maria Cura” na FNAC de Braga



Estimados Leitores,

O autor, José Ilídio Torres, e a Temas Originais têm o prazer de o convidar a estar presente na sessão de apresentação do livro "Diário de Maria Cura " a ter lugar na Loja Fnac Braga, sita no Shopping Braga Parque, Loja 323, Quinta dos Congregadores – S. Vítor, em Braga, no próximo dia 6 de Setembro, pelas 17.00.

Em torno da obra, falarão o autor e o poeta Xavier Zarco.

Saiba sempre mais em:

http://www.temas-originais.pt/
Obrigado.
Temas Originais
Torre Arnado
Rua João de Ruão, 12 - 1.º, Escr. 19
3000-229 Coimbra | Telef: 239 100 670
Site: www.temas-originais.com Blog: http://www.temasoriginais.blogspot.com/

terça-feira, fevereiro 24, 2009

O Primeiro Livro da Temas Originais



O Autor, Octávio Da Cunha e a Temas Originas, têm o prazer de o convidar a estar na sessão de lançamento do livro "A Intermitência dos Sentidos", a ter lugar no auditório sito a Campo Grande n.º 56, Lisboa, no próximo dia 14 de Março pelas 16.00 horas.
Obra e Autor serão apresentados pela poetisa Vera Sousa Silva.

Se puder não falte.

domingo, fevereiro 22, 2009

Destaque

Destaque



É já no próximo dia 14 de Março, no auditório sito ao Campo Grande 56, na cidade de Lisboa, que será realizado o primeiro evento da nossa Editora Temas Originas.

Com a ampla necessidade de dar visibilidade aos novos valores da escrita nacional, nos mais díspares géneros literários, a nossa Editora acompanhará estes novos Autores com enorme carinho, numa parceria que se pretende sólida e de grande dinâmica.

Num projecto que ambiciona ser uma verdadeira “Casa de Autores” bem referenciada e respeitada, onde se pensa especialmente no Autor e no Leitor.

Em breve anunciaremos os nomes dos primeiros Autores desta casa e as suas obras. Queremos que esteja presente neste dia emblemático, por isso, solicitamos que guarde este dia, tarde/noite, para usufruir e testemunhar bons momentos de literatura e convívio de Poetas.

A Editora

segunda-feira, fevereiro 16, 2009


Caros Autores,

A 5 de Fevereiro último nasceu a TEMAS ORIGINAIS, LDA. Pretendemos ser, não mais uma Editora no mercado, mas uma verdadeira Casa de Autores. É nosso intuito editar os mais díspares géneros literários; dar corpo à voz ímpar de cada um que, por nós, decida publicar. Contacte-nos, envie-nos uma obra que considere definitiva e que queira ver editada e saiba como.

Com os nossos melhores cumprimentos,

Os editores

TEMAS ORIGINAIS, LDA
Rua de Vilar, 74 – 2.º - 4050-625 PORTO
DELEGAÇÕES EM: Coimbra, Lisboa e Porto
E-mail: temas.originais@gmail.com
Blogue: http://temasoriginais.blogspot.com

segunda-feira, março 10, 2008

Entrevista de Paulo Afonso no Luso - Poemas


O destaque de Luso-Poemas para o mês de Março é o Paulo Afonso. Não por ser administrador do Luso (de facto, por sê-lo esteve para não ser o escolhido), não por ser amigo de ninguém em particular mas por ser amigo de todos de forma desinteressada e fácil.

Sem querermos cair no elogio fácil, devemos dizer que o Paulo Afonso é, indiscutivelmente, uma figura incontornável deste sítio, tanto pela sua escrita como pela sua postura correcta e conciliadora. Se tivéssemos que sublinhar as suas maiores qualidades, essas seriam, garantidamente, o voluntarismo, a correcção e a grande capacidade para ouvir/ler. Estas qualidades humanas aparecem fortemente imprimidas na sua escrita.
Quem lê o Paulo Afonso, atesta facilmente esta verdade.

Nesta entrevista introduz-se uma nova nuance. A partir de agora, para além dos elementos usuais em cada entrevista, passará a haver um entrevistador Luso ou Lusa convidado. O primeiro nessa qualidade é uma primeira. A Rosa Maria.

Ficamos, então, com uma pequena biografia do Paulo e com a conversa que tivemos com ele.

Auto-biografia

Paulo Jorge Afonso Ramos nasceu na Maternidade Alfredo da Costa em Lisboa, ao vigésimo quinto dia de Fevereiro decorria ano de 1966. Viveu em Alcântara até aos 3 anos, altura em que foi viver para África. A sua infância foi passada em Moçambique. Voltou para Portugal e viveu nos Olivais Sul onde começou a sua viagem pela escrita aos 10 anos de idade.
Só no ano de 2001 (Maio) começou a publicar poesia através da Editora Minerva, onde participou na Antologia de Poesia e Prosa Poética Portuguesa Contemporânea – “Poiesis” Volume V.
Participou ainda neste projecto “Poiesis” nos Volumes VII – (Maio 2002) e no Volume VIII – (Dezembro 2002).
Mas foi no ano de 2006 que concretizou o seu grande sonho, ao ver o nascimento do seu primeiro livro de poesia, editado pela Edições Ecopy com o nome de “Vinte e Cinco Minutos de Fantasia”. Este livro reflecte o seu olhar pelo amor, pelos sentimentos e pelas pessoas em forma de poesia.

Escreve com assiduidade no seu blog http://poesiadepauloafonso.blogspot.com/


Entrevista

Rosa Maria - Olá Paulo. Não queria começar a falar do poeta. Queria saber do Paulo enquanto Homem romântico, sensível e sonhador que parece transparecer na tua poesia.
Paulo Afonso - Bem, não sendo Poeta, acho-me um pouco romântico e muito sensível. Sonhador sou demais, talvez por ser do signo peixes. Mas gosto do que sou. Pois sinto-me de bem com a vida.

Vanda - Ainda te lembras da 1ª vez que escreveste? Como foi?
Paulo - Tinha pouco mais de 10 anos. Tímido e inseguro e com necessidade de desabafar encontrei no papel a forma ideal de o fazer, depois escondia o que escrevia como se de um tesouro se tratasse. Mas por pura timidez …

Vera Silva - Nasceste para a poesia muito criança ainda e, descobriste, pelo que vemos nas tuas publicações no Luso-Poemas, a prosa muito mais tarde. Como aconteceu essa descoberta e em qual delas te sentes mais à vontade?
Paulo - De facto sempre escrevi poesia. Tinha um medo enorme de escrever de outra forma. Só no ano passado e no Luso–poemas comecei a arriscar a prosa em pequenos textos. Os incentivos foram chegando e comecei a escrever mais vezes. Hoje, por incrível que pareça, sinto-me mais à vontade na prosa e, esse facto, devo-o ao Luso e aos Lusos que amavelmente comentam os meus textos…

TrabisDeMentia - Olá Paulo, o Luso tem um efeito relaxante mesmo. Mas também é verdade que ele te tem dado algumas dores de cabeça. Como te sentes no papel de administrador. É tão relaxante como ler poesia?
Paulo - Ufa! Uma verdadeira surpresa. Imenso trabalho de bastidores e muita preocupação misturadas com muita vontade de fazer coisas boas em prol de todos. Agora também tenho imensas saudades dos tempos em que apenas lia e debitava textos sem qualquer noção da vida de administrador e sem preocupações. Hoje dou muito valor a esses tempos pois já conheço os dois lados…

Trabis - Por falar em lados, foste o primeiro Luso-poeta que eu tive o prazer de apertar a mão! Também noto que apareces em todas as fotos de encontros literários. A vida é um prazer, não é?
Paulo - Todos os momentos são feitos de grande prazer. E alguns com grande orgulho. Conhecer as pessoas pessoalmente, reforça a união. No teu caso foi um grande prazer também. Poder estar com a pessoa que vive atrás do ecrã é magnífico.

Valdevinoxis - Tu és por natureza uma pessoa conciliadora, uma pessoa que tende a querer mediar situações. Já por várias vezes o vimos aqui no Luso. O que te parece que gera os desentendimentos ou melhor, o que achas que impulsiona algumas pessoas a terem relações difíceis com a harmonia? Como é que se gere isto?
Paulo - Uma pergunta difícil. Mas vou tentar ser objectivo. O problema é, de facto, sermos muitos e todos diferentes. Uns mais que outros, precisam de apoio, incentivo ou uma palavra de amizade. São as relações sociais do ser humano. Gerir é complicado e não sei se conseguirei, mas já aprendi muito com os Lusos e creio que a maior virtude é tentarmos entrar na pele do outro para perceber as razões, convicções etc. Nunca é fácil…

Rosa - Diz-me Paulo, o que significa verdadeiramente o Luso-Poemas para ti? Quais são no teu ponto de vista as suas virtudes e defeitos, de uma forma concreta.
Paulo - O Luso–poemas é uma segunda casa para mim e sinto os Lusos como uma família. As virtudes são muitas, pela variedade de estilos ou por ser um site diferente de todos outros desta área. Defeitos? Alguns. O facto de não termos alguma capacidade de gerir as diversas formas de opinião (critica geral) e de não conseguirmos expandir mais para outras culturas, nomeadamente a africana onde existem grandes poetas. Mas iremos conseguir com o tempo e a ajuda de todos Lusos.

Vera - A poesia é muito mal tratada e pouco divulgada. Se tivesses o poder de alterar isso, como o farias?
Paulo - Atacaria as bases. Mudaria a política da educação. Mudaria o apoio à cultura e criava outras opções de publicação, que permitissem termos mais acessos à leitura com, obviamente, baixos custos. Se pudesse, a poesia seria posta em outras condições, mais de acordo com os poetas da nossa história…

Trabis - E que dizes tu, Paulo, da história que os nossos poetas escrevem a cada dia? Achas comparável à dos nossos antepassados?
Paulo - De certa forma sim. Se pudermos modificar os métodos e actualizarmos os efeitos. Claro que sim. Mas o tempo o dirá quando um de nós merecer o justo destaque social e na literatura, pois no Luso-poemas há de facto grandes valores. Aposto fortemente em alguns nomes…

Vera - Que relação existe entre Paulo Afonso e as personagens que estão dentro dele?
Paulo - De cumplicidade. Tenho uma frase minha em que digo: “Escrevo…para libertar as personagens que não consigo Ser”. Em cada frase, em cada texto sai um pouco de cada personagem que habita dentro de mim. Por vezes confundo-me entre as personagens e o homem real do dia a dia que também existe e com muitos defeitos…

Val - Paulo, o que dizes é que tu és mais uma personagem, que te recrias na escrita? Se assim é, não tens medo de uma exposição demasiada, de neste processo de "mixagem", perderes a identidade? O facto de seres o autor não te deveria obrigar a um distanciamento em vez da colagem de que falas?
Paulo - Há uma liberdade criativa, por vezes inconsciente mas em que tenho necessidade que assim seja. Sem qualquer medo, assumo que por vezes não me reconheço no que faço através da escrita, mesmo que corra o risco de perder a identidade, faço-o na mesma. Quando escrevo, perco o medo, a vergonha e a conduta social. Criar é poder voar sem asas é ir e voltar sem preocupações com o ego ou com outra envolvente subsequente. Nessa altura o Eu pouco me importa. Simplesmente escrevo!

Rosa - Agora questiono o Poeta. Tens um texto (em prosa poética) com o título "Viagem". Que "Viagens" ainda queres realizar?
Paulo - Quero descobrir a viagem ao paraíso e por lá ficar os últimos tempos da minha vida. Estamos uma vida inteira a aprender. Como digo nesse texto: “A verdadeira viagem foi a vida… pelos anjos que encontrei” Esse tesouro é a minha maior riqueza, a fonte do meu sorriso diário e a esperança em conseguir viajar sempre. Viajar? Sempre, quer seja pessoalmente (adoro) ou através da escrita. O que importa é mesmo viajar...

Vera - O que mais te inspira quando escreves? Como chegas a um tema, como vives o processo criativo?
Paulo - Confesso que tenho uma forma pouco comum. Primeiro porque tenho o hábito, muito antigo, de pedir um título e só depois escrevo. É assim que chego ao tema. Vivo o processo criativo com grande emoção e prazer. Inspiro-me no momento ou na música e as coisas acontecem naturalmente. Fluem de dentro de mim em liberdade que por vezes nem tenho a consciência do resultado final.

Trabis - Tenho um título bom para ti: "Paulo". Conseguirás escrever esse poema? Agora? Em breves linhas? Deixa o tema fluir!
Paulo -

Um mistério recôndito
que o tempo vê passar
ele é o dito
que quer falar.

Espevito
sabe amar
quer viver em sociedade
em alegria constante
em liberdade
em cada instante.

Ele é um menino
que cresce em cada hino!

Val - No decorrer desta entrevista mantiveste uma postura que, podemos dizer, é politicamente correcta. Também nos apercebemos que não é uma máscara mas sim uma filosofia de vida. Quero que descoles um pouco dessa linha e que nos digas o que mais te desagrada no Luso. Qual o tipo de intervenção que não gostas mesmo? Quais são os pontos sobre os quais tomavas medidas drásticas? Que medidas?
Paulo - Não é fácil desviarmo-nos da nossa linha mas, nunca recuso um bom desafio. O que mais desagrada no Luso é a postura de alguns Lusos, que a criticam sem noção das realidades e só para aparecerem. As manobras de imposição, maioritariamente dissimuladas. Não pactuo com posturas provocatórias ou de “politica do umbigo”, ou seja, manifestamente egoístas.
Não gosto mesmo do tipo de intervenções “BOMBA” no fórum. Sem critério ou sem bases, só porque estão na corrente e deixam-se levar. E digo-o com o devido respeito por todos, obviamente. Nessas alturas tomaria medidas drásticas. Que medidas? Colocava-os como a outra parte, a parte de quem tem que resolver e em simultâneo agradar a todos para ver se conseguiam entender o quão é difícil gerir e fácil criticar. Só assim alguém poderia ter consciência poética para agir
Depois trocava opiniões com os visados e certamente melhorávamos todos. O Luso–poemas incluído.

Rosa - Para terminar não poderia deixar de te pedir uma mensagem para todos os Luso-Poetas. Que palavras nos ofereces Paulo?
Paulo - Uma mensagem de gratidão sincera. Porque todos Lusos (mesmo que não saibam) têm uma grande influência na minha vida e em especial no que escrevo. Porque desde que estou no Luso cresci como homem e na escrita. Criei um canal de amizades verdadeiras. Sinto que todos podemos crescer em conjunto, sem limites e com respeito pela personalidade de cada um. Que todos sejamos capazes de fazer um esforço em prol da poesia. Do Luso–Poemas. E que em Abril façam mais um esforço para estarem no 1º Encontro da Luso. Mostrem-se. Sorriam e a vida melhorará. Por favor, ACREDITEM!

sábado, janeiro 26, 2008

Projecto PÃO & POESIA















IRAQUE EM GUERRA

Inferno que ilude
Recebe e dá… a dor
Amanhecer cor de fogo
Querer… sem amor
Uma criança que foge
E brinca de soldado…

Embalados em miras
Miras em movimento

Gente que morre
Um vento sofrido
Ecos de almas a partirem
Rostos de pânico
Rituais de um mundo perdido
Amor atingido… que morre!

sábado, setembro 15, 2007

P.O.W. - Alicia Keys


P.D.P.

Eu sou um prisioneiro
Das palavras não-ditas
Apenas solitários sentimentos
Trancados na minha cabeça
Eu me prendo mais e mais
Toda vez que eu fico quieto
Eu devo começar a falar
Mas eu paro e permaneço em silêncio
E agora eu tenho feito
Minha própria prisão de palavras não-ditas

Eu sou um P.D.P.
Não um prisioneiro de guerra.
Um prisioneiro de palavras
Como um soldado
Sou um lutador
Ainda somente um fantoche
Na maior parte eu digo somente
O que você quer ouvir
Você poderia agüentar se eu fosse claro?
Ou você prefere me ver
Apedrejado na droga da complacência e do acordo
M.I.A.
Acho que é o que sou
Raspando esta terra fria
Por um pedaço de mim mesmo
Por um pedaço de mim mesmo

Seria mais fácil se você me pusesse em uma jaula
Se me trancasse
Eu teria alguém pra culpar
Mas essas barras de aço fui eu quem fez
Elas cercam minha mente
E têm me chacoalhado
Minhas mãos estão presas atrás das minhas costas
Eu sou um prisioneiro do pior tipo, de fato
Um prisioneiro do compromisso
Um prisioneiro da compaixão
Um prisioneiro da bondade
Um prisioneiro da expectativa
Um prisioneiro da minha juventude
Correndo bastante rápido para estar velho
Esqueci o que eu tinha dito
Não é uma vista pra contemplar?

Um prisioneiro da idade que morre pra ser novo
Para a minha cabeça ser minha mão com uma arma
E está frio e está difícil
Porque não há por onde fugir
Quando você prendeu a si mesmo
Por segurar sua língua

Eu sou um prisioneiro
Das palavras não-ditas
Apenas solitários sentimentos
Trancados na minha cabeça
É como um solitário confinamento
Toda vez que eu fico quieto
Eu deveria começar a falar
Mas eu paro e fico em silêncio
E agora eu fiz
Minha própria cama dura
Dentro da prisão das palavras não-ditas

P.O.W. - Alicia Keys

sábado, agosto 18, 2007

OLHEI-TE BEM (em video)


Poema: in Vinte e Cinco Minutos de Fantasia de Paulo Afonso
Vídeo: in Celtibério

domingo, agosto 12, 2007

Sporting conquista Supertaça 07/08

FC PORTO-SPORTING, 0-1
O Sporting conquistou o segundo troféu oficial consecutivo.

Golaço de Izmailov dá vitória ao Sporting

O Sporting venceu o FC Porto por 1-0 e conquistou, pela sexta vez, a Supertaça Cândido de Oliveira, o primeiro troféu oficial da época, em jogo disputado hoje no Estádio Municipal de Leiria. O russo Izmailov foi o autor do golaço que deu a vitória aos leões.

sábado, junho 16, 2007

O Poder da Informação

Informação é poder. A capacidade de se saber antes de todos e de usar essa informação é o que faz a diferença no mundo dos negócios.

segunda-feira, abril 30, 2007

C.D.O.M.

Clube Desportivo dos Olivais e Moscavide

Actualmente na Liga de Honra a lutar pela manutenção.

O documentário que se segue foi feito em 2004, está por isso um pouco desactualizado, no entanto o objectivo principal é dar a conhecer as cores e as instalações do clube e um pouco da sua história.

quinta-feira, abril 19, 2007